Aproveitando o 3° Festival do Júri Popular que está rolando esta semana e vai até domingo, todo dias às 17 horas no Cine Metrópolis, vamos postar uma série de resenhas sobre os curtas que estão na curadoria. A primeira é sobre o “Haruo Ohara”, de Rodrigo Grota, que é exibido hoje.

Fotografia e Memória em Haruo Ohara

Curta premiado no Festival de Gramado, que participou do Vitória Cine Vídeo. Recria um pouco da trajetória do fotógrafo nipo-brasileiro (genial por sinal) homônimo ao título. Tanto a obra do fotógrafo quanto o próprio filme discorrem sobre a imigração de japoneses para o Brasil. Retrata com maestria o estilo de vida simples e bucólico, as cultura japonesa extremamente expressiva e a experiência de um povo entrando em contato com um ambiente novo cujo qual estão em processo de tornar um lar.

É um tipo de etnografia visual – O cotidiano da imigração retratado por quem vivenciou o espaço e dele extraiu sua obra (Haruo) e remontado por uma análise minuciosa desse mesmo quebra-cabeças tão genuíno. É como assistir as fotografias de Ohara contando a história por trás de cada uma.

A estética do filme não deixa a desejar. Fotografia é o elemento essencial pra se falar de fotografia. O uso da estaticidade gera uma natureza contemplativa, o ritmo mais do que marcado do zen e da expressividade leve creditada aos orientais, salpicado de elementos naturais e diálogos fugazes, meramente rompendo um silêncio suave e sensitivo de onde emerge o sentido e a visão de um gênio.

A expressão sensível – quase tátil – do curta foi garantida pelo jogo de tons e luz: riquíssimo e primordial na construção dos quadros. O uso do preto-e-branco traz em si toda uma carga de significações sobre a tradição fotográfica, bem como a referência à própria obra de Ohara. Referências visuais e cênicas que passam por uma fórmula já consagrada do cinema oriental: a contemplatividade como exercício proposto ao espectador e como necessidade para o fechamento do sentido na obra. Torna-se uma fruição visual em primeira instância, e por meio dessa aflora o cerne do que se está sendo construído pela ficção.

Não conhecia a obra de Haruo, mas tomei interesse pela obra e pelo fotógrafo em si depois de ter visto o curta.

FICHA TÉCNICA

Haruo Ohara (Ficção, 16 min, Paraná, 2010)

Direção: Rodrigo Grota

Roteiro: Rodrigo Grota

Elenco: Marco Hisatomi, Márcia Kinjo, Taís Matsumoto, Bianca Kinjo, Vivian Kinjo, João Pedro Nakagawa, Iasmin Naomi Obara, Victor Diody, Lucas Kenji, Rafael Felipe Ueda, Mariana Lye, Kooki Miyamoto, Lina Harumi Kawakani, Rogério Ivano, César Sumyia e Ushi Oshiro

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s