"Carlos Nader", de Carlos Nader

"Carlos Nader", de Carlos Nader

Amanhã (09), a segunda sessão da Mostravídeo 2009 realiza debate com o curador do mês de abril, o argentino Jorge La Ferla, e com o cineasta Erly Vieira Jr. A sessão começa às 19h, com exibição das obras “Preparação II”, de Leticia Parente, “The Space Between the Teeth“, de Bill Viola, “Living with the Living Theatre“, de Nam June Paik, “Girl Power“, de Saddie Benning, e “Carlos Nader“, de Carlos Nader, após uma breve apresentação das obras pelo curador. A Mostravídeo, uma parceria do Itaú Cultural, Instituto Marlin Azul, Cine Metrópolis e Grupo de Estudos Audiovisuais (Grav), tem entrada franca.

Logo após a exibição, os convidados debatem o tema deste mês da mostra: os autorretratos documentais.

Jorge La Ferla é mestre em artes pela Universidade de Pittsburg e diretor artístico da Mostra Euro-Americana de Cinema, Vídeo e Arte Digital de Buenos Aires. Sua seleção de curtas, médias e longas produzidos em vídeo e reunidos sob o conceito de Autorretratos Documentais, continua em mais duas sessões: 17 e 24 de abril, às 21h, também no Cine Metrópolis.

A Mostravídeo 2009 acontece até novembro, com uma sessão semanal e entrada franca. O público poderá conferir textos inéditos sobre a programação, além de se comunicar com o curador e discutir os filmes no blog www.mostravideoitaucultural.wordpress.com.

PROGRAMAÇÃO

Dia 9 de abril, quinta-feira, 19h

Palestra com Jorge La Ferla

Preparação II

Letícia Parente, Brasil, 7´40´´, 1976.

Registro de uma ação sobre o corpo da artista, que é submetida a diversas inoculações. As substâncias líquidas da seringa contêm vacinas simbólicas que oferecem anticorpos críticos contra os preconceitos da arte e do público dentro do contexto do marco político e cultural do Brasil sob a ditadura dos anos 70.

The Space Between the Teeth

Bill Viola, 1977, 10:13 min, cor, som

A figura do autor enquadrado resgata a idéia de sua imagem visual, mas também sonora. O corpo é a fonte de um fenômeno acústico epicentro da introdução de um quadro sonoro. A ação do grito se estrutura com base no deslocamento da câmera por um corredor no qual o plano termina em um detalhe da boca do personagem. Esta ação de escrita do movimento e do tempo termina com uma fotografia instantânea.

Living with the Living Theatre

Nam June Paik, com Betsy Connors e Paul Garrin

1989, 28:30 min, cor, som

Reconstrução em vídeo da vida do diretor de Living Theatre, Julian Beck, e de uma época inesquecível, e perdida, da cultura alternativa e da cultura americana.

Girl Power

Saddie Benning, 15´, EUA, 1992.

Manifesto sobre as formas de documentar, a partir do audiovisual, uma postura política na angustiante e lânguida década de 90. A revolta contra as instituições se traduz em uma visão sobre o próprio corpo durante a languidez da década dos 90 nos EUA.

Carlos Nader

Carlos Nader, 15´30´´, Brasil, 1998

O nome do vídeo coincide com o nome do autor, reproduzindo a partir do autorretrato a rejeição à biografia, ressaltando, assim, o caráter profundo de uma busca pessoal através da criação artística audiovisual. A impossibilidade de conceber idéias sobre a essência da condição humana abre possibilidades expressivas mais complexas que vão da imagem onírica a uma visão interna transbordante em seu vazio existencial.

Dia 17 de abril, sexta-feira, 21h

En mi menor

Neyeri Ávalos, México, 12´40´´, 2002

Um país, México, um ambiente familiar em Chiapas e um autorretrato como contexto de um conflito irreconciliável entre o eu da autora, as instituições e a ação de contá-lo. O íntimo é produto de uma tentativa de relato que conflui na colocação em cena do corpo da artista e as ações que revelam a figura feminina em um confronto irreconciliável entre ela e o ambiente.

Balaou

Gonçalo Tocha, Portugal, 77´, 2007.

O registro de uma travessia marítima é a condição que permite considerar o relato da existência da pessoa que olha, registra imagens e pensa. O passado familiar e as lembranças pessoais fazem parte de uma estrutura que combina o relato de ações no presente do registro no contraponto do autorretrato.

Dia 24 de abril, sexta-feira, 21h

Los rubios

Albertina Carri, Argentina, 89´, 2003

Albertina Carri é a protagonista, personagem e realizadora desta obra, que mostra uma história diversa do documentário, que vai do cinema ao vídeo e trabalha de forma virtuosa a trilha sonora, a animação e o design tipográfico. A atriz que personifica Carri faz parte de uma trama que permite reconstruir de forma complexa e dolorosa o desaparecimento forçado do casal Carri, pais da realizadora, durante a ditadura militar. A verdade dos fatos é somente uma possibilidade diante das dissímeis versões, das dúvidas e da confusa memória de relatos que formam uma obra de escrita sofisticada, que demole os lugares comuns que tratam desse período trágico da história argentina.

Anúncios

Uma resposta »

  1. Patricia disse:

    Não acredito que eu esqueci!!! >.<

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s